Em formação

Raças de cães: Cão da Serra da Estrela - Cao da Serra da Estrela

Raças de cães: Cão da Serra da Estrela - Cao da Serra da Estrela

Origem, classificação e história

Origem: Portugal.
Classificação F.C.I: Grupo 2 - cães pinscher, schnauzer, molossoide e suíços.

O Cão da Serra da Estrela é uma raça de origens antigas. Seus progenitores chegaram à parte ocidental da Península Ibérica juntamente com as populações indo-européias. O isolamento em que essa raça vivia, nas montanhas da Serra di Estrema, em Portugal, a preservou de infiltrações estranhas, mas também impediu sua propagação. Ele é um descendente do mesmo ancestral do "Cão da Montanha dos Pirenéus" e do "Mastim Espanhol". Muitos especialistas acreditam que sua aparência atual é aproximadamente idêntica à de seus ancestrais. A seleção da raça pelo homem levou à divisão em duas variedades, que diferem no comprimento e textura do pêlo. É uma raça que não sofreu cruzamento ao longo dos anos. A sua distribuição é limitada à área da Serra di Estrela, alguns exemplares também estão presentes no centro de Portugal. É usado para proteger e defender os rebanhos.

Aspecto geral

Cão médio com bandeja de convexilina. Morfologicamente classificado como tipo Molossiano, tipo Mastim. Sua construção é muito bem proporcionada, morfologicamente perfeita. Relações corretas entre cabeça, tronco e membros. A harmonia do todo revela uma pureza étnica enraizada no tempo.

Personagem

O aspecto do personagem da raça é interessante. Este cão sempre avisa antes de atacar um intruso, que mais tarde não tem como escapar. Sempre alerta, silencioso e atencioso. Muito determinado em seu trabalho, em guardar o rebanho e o rebanho e em guardar as propriedades que lhe foram confiadas. No treinamento, esta raça obtém excelentes resultados, pois possui grande memória e boa inteligência. Tem um olfato altamente desenvolvido. Seu temperamento acentuado joga a favor da docilidade.

Cão da Serra da Estrela - Cao da Serra da Estrela (foto www.rt-serradaestrela.pt)

Cão da Serra da Estrela - Cao da Serra da Estrela (foto www.rt-serradaestrela.pt)

Padrão

Altura:
- machos entre 65 e 72 cm
- fêmeas entre 62 e 68 cm
(tolerou uma diferença de 4 cm mais ou menos).
Peso:
- machos de 40 a 50 kg
- fêmeas de 30 a 40 kg aprox.

Tronco: peito bem circulado, sem ser cilíndrico; largo, descido e bem inclinado. Sempre linha superior horizontal, de preferência com costas curtas. Lombo largo, curto e musculoso. Barriga baixa não volumosa, proporcional à estrutura do cão.
Cabeça e focinho: fortes, volumosos, bem presos, com mandíbulas desenvolvidas. Pele macia no crânio e levemente convexa antes da parada, o que não é muito pronunciado e a uma distância quase da metade da ponta da trufa ao topo do crânio. Região frontal do crânio bem desenvolvida e arredondada, com perfil convexo. Recuo da crista occipital. Focinho alongado, mais estreito na ponta, mas não afiado; na parte mais larga, tende a ser reta; suavemente convexo em direção à ponta. Boca profunda, com lábios grandes, não muito grossos, não pendentes e bem sobrepostos.
Trufa: narinas retas, largas e bem abertas, sempre de cor mais escura que o pêlo e sempre de preferência preta.
Dentes: fortes, brancos, bem plantados e regulares.
Pescoço: reto, curto e grosso; bem plantado com barbelas não desenvolvidas.
Orelhas: pequenas em relação ao todo geral. Fino, triangular, arredondado na ponta, pendurado, inserção média, inclinado para trás, apoiado na cabeça, deixando uma abertura aberta na base.
Olhos: horizontais, mal emergindo das órbitas, ovais, de tamanho normal, iguais e bem abertos. Expressão calma e inteligente. A cor mais comum é âmbar escuro.
Membros: bem na posição vertical. Antebraços e ossos quase cilíndricos. Esqueleto muscular bem construído, com ossos sólidos. Articulações robustas com ângulos regulares. Jarretes bastante baixos, abertos regularmente. Pés proporcionais ao tamanho do cão e bem construídos. Unhas escuras, quase pretas. Esporas simples ou duplas.
Marcha: movimentos soltos e normais.
Musculatura: bem desenvolvida, muito forte.
Cauda: intacta, longa. Atinge a ponta dos jarretes de comprimento e tem a forma de uma cimitarra. Inserção média e bem coberta de pêlo. Em espécimes de cabelos compridos, o cabelo se forma como uma franja e a cauda termina em um gancho.
Cabelos: fortes, bastante grossos, mas não excessivamente duros. Liso e levemente ondulado, é muito abundante nas variedades de cabelos longos e curtos. O cabelo geralmente não é distribuído uniformemente.
Cores permitidas: apenas marrom, cinza lobo e castanho uniforme ou manchado.
Defeitos mais comuns: prognatismo, enognatismo, monorquidismo, criptorquidismo, movimento incorreto, medições fora do padrão, cabeça estreita, cabeça longa, olhos cruzados, olhos de tamanho desigual, orelhas mal fixadas, orelhas muito grandes ou redondas, corte grande ou redondo, corte na cauda, ​​cauda mal anexada, albinismo, trufa leve ou manchados, cabelos que não sejam do tipo natural, gigantismo ou nanismo.

com curadoria de Vinattieri Federico - www.difossombrone.it


Vídeo: Programa Nós - Cão serra da estrela (Setembro 2021).