Em formação

Raças de cães: Cão Castro Laboreiro

Raças de cães: Cão Castro Laboreiro

Origem, classificação e história

Origem: Portugal.
Classificação F.C.I: Grupo 2 - cães pinscher, schnauzer, molossoide e suíços.

O Cao de Castro Laboreiro, sem dúvida, tem origens antigas. Não existem certos documentos de sua história porque não existem estudos detalhados sobre sua evolução. Seus progenitores eram provavelmente cães celtas, dos quais derivam as raças de montanha francesa, espanhola e portuguesa. É originário da vila de Castro Laboreiro, da qual leva seu nome. Juntamente com o "Cão da Serra da Estrela", é uma das raças mais antigas da Península Ibérica. Sua difusão é limitada às montanhas de Penda e Suajo e aos rios Mino e Lima. Também é encontrado na província de Duro. Os espécimes são encontrados em altitudes de cerca de 1400 m. A sua área de difusão está concentrada nas regiões norte de Portugal. A raça utilizada no manejo e custódia dos rebanhos.

Aspecto geral

A morfologia desta raça é um aspecto que muitos entusiastas consideram interessante porque é definida por seu próprio padrão Molossoide-Lupoide. Tendência a reta. Cão vigoroso, estrutura morfológica agradável. Casaco brilhante. Hábito nobre, expressão severa e severa, rusticidade montanhosa. Ele late de maneira característica e muito alta, começando com tons variáveis ​​e geralmente graves e terminando com tons altos prolongados, semelhantes aos gritos.

Personagem

Atitude em relação à franca hostilidade, sem ser combativo. Esta raça não é tão agressiva quanto o "cão Serra di Estrela". Ele é muito determinado e ousado ao enfrentar predadores e seus inimigos naturais. Adapta-se muito bem a conviver com a família. Ele é um companheiro afetuoso. Ele sempre pode estar em contato com crianças. Excelente companheiro. Excelente cão de trabalho.


Cão Castro Laboreiro (foto www.voschiens.com)

Cão Castro Laboreiro (foto http://peneda-geres.naturlink.pt)

Padrão

Altura:
- machos entre 56 e 60 cm
- fêmeas entre 52 e 57 cm.
Peso: de 30 a 40 kg para homens; 20 a 30 kg para as fêmeas.

Tronco: tórax ogival, alto, largo e regularmente profundo. Dorso horizontal e de comprimento regular. Rins fortes e largos. Linha inferior não muito volumosa e um pouco retraída.
Cabeça e focinho: de tamanho regular, bastante leve e musculoso. Pare pouco acentuado. Região cranio-frontal desenvolvida regularmente e levemente saliente. Sulco frontal quase nulo. Perfil retilíneo, crista occipital pouco pronunciada. Focinho longo e forte, reto ao longo de todo o seu comprimento. Boca bem desenhada. Lábios regulares.
Trufa: bem pronunciada, reta e bem aberta, sempre preta.
Dentes: completos, brancos e fortes. Maxilares com músculos poderosos.
Pescoço: reto e forte, curto, de espessura proporcional, bem preso ao tronco. Livre de barbelas.
Orelhas: regulares, não muito grossas, aproximadamente triangulares, mas arredondadas na ponta, penduradas.
Olhos: oblíquos, na mesma linha das órbitas, em forma de amêndoa, de tamanho médio.
Membros: os membros dos 4 membros estão muito corretos. Osso bem desenvolvido coberto por músculos poderosos. Antebraços e pastagens aproximadamente cilíndricos. Articulações e ângulos articulares bem desenvolvidos. Cantos com aberturas regulares. Coxas bem musculosas. Pés proporcionais ao tamanho. Ângulo tíbio-tarso obtuso médio.
Ritmo: movimento rítmico e casual. Os membros se movem paralelamente ao plano sagital do corpo. De preferência, ele dá um passo normal, mas às vezes muda.
Cauda: inteira; desliga até o jarrete. Longo e grosso, muito peludo por dentro. Tem a forma de uma cimitarra.
Cabelos: espessos, resistentes, difíceis de tocar, lisos, bem organizados, abundantes em toda a superfície do corpo. Cerca de 5 cm de comprimento. Amostras com cabelos mais longos ou mais curtos são raras.
Cores permitidas: os vários tons de cinza lobo. O escuro é o mais comum. Todas as três variedades, claras, médias e escuras, podem aparecer no mesmo indivíduo em várias partes do corpo. A cor preferida é a chamada "cor da montanha", considerada pelos pastores como uma característica étnica.
Defeitos mais comuns: prognatismo, enognatismo, cabeça muito volumosa, olhos de tamanhos diferentes, orelhas defeituosas na linha do cabelo, surdez congênita ou adquirida, trufa que não seja a cor preta, tamanhos fora do padrão, cauda de trombeta, monorquidismo, criptorquidia, albinismo, cabelos manchados, movimento incorreto .

com curadoria de Vinattieri Federico - www.difossombrone.it


Vídeo: Programa Terra Sobre o Cão Castro Laboreiro-Porto Canal (Setembro 2021).