Em formação

Raças de cães: Terrier Brasileiro

Raças de cães: Terrier Brasileiro

Origem, classificação e história

Origem: Brasil.
Classificação F.C.I: Grupo 3 - terriers.

É quase certo que o Terrier Brasileiro (Fox Paulista - Terrier Brésilien) foi criado como conseqüência da importação de cães europeus, seguindo jovens brasileiros ricos que foram à Europa estudar em universidades, principalmente na França e em outros países. Inglaterra. Esses jovens frequentemente carregavam terrier "Fox" ou "Jack Russell" com eles. Esses cães mais tarde cruzaram com os cães indígenas da região, dando origem a uma nova raça. Após algumas gerações, os principais personagens da raça se estabeleceram e finalmente foram oficialmente reconhecidos pelo F.C.I.

Aspecto geral

Cão de tamanho médio. Bem proporcionado e solidamente construído, sem ser muito pesado. Seu corpo é construído na praça. Sua silhueta possui linhas arredondadas, aspecto morfológico que a distingue do "fox terrier de cabelos lisos", que possui linhas quadradas.

Personagem

Cão muito animado, alerta e alegre. Sociável e carinhosa com conhecidos, ela pode se mostrar desconfiada em relação a estranhos. Muito inteligente e pronto para aprender. Suas melhores habilidades são equilíbrio e aprendizado. É uma raça muito usada no cão Agility, por sua grande agilidade e facilidade de treinamento. No Brasil, é muito utilizado como cão de circo por suas qualidades físicas. Também excelente como cão de companhia.


Brasileiro Terrier (foto www.dogtimes.com.br)


Brasileiro Terrier (foto http://produto.mercadolivre.com.br)

Filhotes Terrier do Brasileiro (foto http://produto.mercadolivre.com.br)

Padrão

Altura:
- machos entre 35 e 40 cm
- fêmeas entre 33 e 38 cm.

Tronco: o tronco pode ser inscrito em um quadrado. Tem linhas arredondadas. Musculatura seca.
Cabeça e focinho: aspecto típico desta raça. Crânio suficientemente largo e plano entre as orelhas. Focinho suficientemente cheio, bem proporcionado ao crânio. Eixos cranio-faciais paralelos. Ponte nasal reta.
Trufa: sempre escura.
Dentes: completos em desenvolvimento. Maxilares fortes o suficiente.
Pescoço: com boa colagem.
Orelhas: são colocadas lateralmente ao nível dos olhos, bem espaçadas uma da outra. De forma triangular, são portadas semi-eretas, com a ponta caindo para a frente na direção do canto externo do olho.
Olhos: são espaçados, com o olhar voltado para a frente, grande e moderadamente proeminente, com sobrancelhas bem desenvolvidas. Eles são o mais escuro possível.
Membros: perfeitamente perpendicular. Pés bem fechados. Metacarpos perfeitamente retos. Boa angulação da retaguarda.
Ombro: com inclinação certa. Bem proporcionado.
Ritmo: rítmico, bastante rápido.
Musculatura: seca, mas bem desenvolvida.
Cauda: está presa baixa, curta. Pode ser cortado ao nível da articulação entre a segunda e a terceira vértebras.
Pele: bem aderente ao corpo em todas as partes.
Cabelo: curto, fino, liso.
Cores permitidas: fundo branco manchado com preto, marrom ou azul.
Defeitos mais comuns: prognatismo, enognatismo, medidas não padronizadas, membros não perpendiculares, vacinismo, orelhas mal usadas, alcatra muito curta, ângulos excessivos, caráter medroso, cores não permitidas pelo padrão, olho claro, marcha incorreta, retaguarda defeituosa, retaguarda defeituosa, monorquidismo, criptorquidia, metacarpos produzindo .

com curadoria de Vinattieri Federico - www.difossombrone.it


Vídeo: Cães - Raças Brasileiras. (Setembro 2021).